quinta-feira, 22 de março de 2012

O Sono, de Ângelo Soares

Editora: Lidel
Ano de Publicação: 2010
Nº de Páginas: 112
O que é o sono? Quais os sinais de perturbação do sono? Quais as fases do sono? Que efeitos a privação do sono provoca? Quantas horas devemos dormir? As respostas a estas e a outras perguntas são esclarecidas por Ângelo Soares, o autor deste livro que é médico Neurologista. Casos clínicos reais, retirados da prática médica do doutor, complementam, comprovam e desmistificam alguns mitos que a pessoa leiga no tema, possa ter sobre o sono. 
O autor define o sono (do latim somnu) da seguinte acepção: «é uma actividade fisiológica normal e indispensável, que quando contrariado, dá máu resultado.»
Após a definição é assinalado o efeito de toda a actividade cerebral enquanto se dorme e evidenciado o trabalho dos neurónios e respectivos neurotransmissores. 
O autor sublinha ainda a importância vital do sono: «dormir é essencial, não só para a sobrevivência, mas também para o bem-estar físico e psíquico do ser humano.»
O sono tem fases distintas, que se sucedem por ciclos, durante a noite e que está dividido em dois tipos básicos: o sono não-REM "Movimento Não Rápido dos Olhos" e o sono REM "Movimento Rápido dos Olhos". Os sonhos normalmente ocorrem durante o sono REM, realça o clínico Ângelo Soares. 
Foi muito interessante ficar com este conhecimento, mas o que despertou a minha atenção foi saber que quando estamos a dormir, com as pálpebras fechadas, obviamente, os nossos olhos movem-se ocularmente em várias direcções. Isto fez-me comparar o sono REM com o EMDR [Eye Movement Desensitization and Retroprocessing] (um tema que este livro não aborda, mas que é muito interessante).
Se o leitor sente constantemente fadiga, irritabilidade, distracção, visão turva ou falta de memória, é sinal de que o seu sono não é «saudável». Para se usufruir de um sono profundo e reparador, é fundamental ter um tipo de alimentação leve e saudável, principalmente antes de dormir, sublinha o neurologista.
O que vou citar agora, irá certamente desmistificar o que pensava e fazia até agora: «Dormir mais ao fim-de-semana não compensa a falta de dormir durante a semana. Dormir até tarde ao domingo de manhã só causa mais dificuldade em deitar-se no domingo à noite e em acordar na manhã de segunda-feira, começando mal a semana.» Por isso, e como é dito popularmente «quem muito dorme, pouco aprende!». Já Homero disse: «O excesso de sono é prejuízo».
«Os sonhos, bem como os pesadelos, podem estar relacionados com a expectativa do que vai suceder num futuro mais ou menos próximo, mas que nos preocupa»; «O número de horas que devemos dormir varia consoante a idade e a característica própria de cada pessoa. 
Um recém-nascido deve dormir cerca de vinte horas por dia, e conforme vai crescendo (em idade) vai dormindo cada vez menos horas, até chegar a adulto. Um adulto deve dormir cerca de sete a oito horas por noite»; «O que conta não é a quantidade, mas a qualidade do sono», citações que sublinhadas também.
Alguns conselhos úteis que poderemos colher desta leitura: «Dormir sete a oito horas é o ideal, e de preferência, entre as 23h e as 8h; Praticar exercício regularmente, pois ajuda a adormecer-se mais rapidamente e descansadamente; Não levar problemas e preocupações para a cama; Animais de estimação no quarto não é preferível, porque eles interferem com o nosso sono; A memorização é pior nos 30 minutos que antecedem o adormecer.»
Quando estamos com gripe, ficamos com febre e sonolência. Certo? Porquê? Leiam este pequeno livro e ficaram a saber.
O público-alvo deste livro são os profissionais de saúde, maioritariamente, mas também toda e qualquer pessoa que queira conhecer melhor o (seu) sono.
Para rematar este texto (que espero não o ter deixado em sonolência) passo a palavra a Honoré de Balzac: «Não há dor que o sono não consiga vencer.»

1 comentário:

Deolinda disse...

Mas que excelente livro!
O tema é muito aliciante, e realmente pela tua descrição parece ser um livro que se lê sem maçar.

Vou pesquisar e ver se encontro.