domingo, 29 de abril de 2012

Lições do Meu Pai, de Jerald Winakur

Editora: Caleidoscópio
Ano de Publicação: 2010
Nº de Páginas: 254

António Damásio, João Lobo Antunes, Daniel Sampaio ou Brian Weiss são nomes de médicos prestigiados que têm transportado para o papel alguns dos seus estudos e casos clínicos. Jerald Winakur é também doutor – mais precisamente geriatra – há quase 40 anos e este Lições do Meu Pai é o seu primeiro livro, onde relata algumas das suas vivências enquanto médico de «idosos idosos», no Texas, Estados Unidos da América.
Este é um livro de não-ficção, portanto, sobre a sua vida enquanto médico e filho de um homem «muito idoso». Cerca de metade das páginas do livro falam sobre o Jerald Winakur médico; outra parcela sobre o homem por trás da bata branca, o observador e apaixonado por pássaros.
Desde as primeiras linhas o autor dá a entender que a geriatria é uma especialidade que lida constante e paulatinamente com a morte: «Todas as famílias têm as suas histórias em relação a familiares em fim de vida e todas descobrem que nesta altura da vida tudo o que resta é a memória.» Ele toca em muitos temas delicados da sua profissão, tais como a relação médico-paciente; a doença de Alzheimer e seus estragos físicos e cognitivos; o envelhecimento e depressão em idosos; a eutanásia e as escolhas dolorosas que os familiares de doentes em fases terminais têm de tomar. Estes assuntos são todos relatados dando exemplos reais sobre cada tema.
O tema mais destacado e que serve de pano de fundo – e aliais alusivo ao título do livro – é sobre [a doença d]o seu pai. É nesta parte da escrita que ele se retira por trás da objectividade médica e abre o livro da sua vida familiar, dando destaque aos seus pais, que avançam para a idade dos seus pacientes. É também aqui que o médico que trata de idosos, sente o quão difícil é presenciar os efeitos do envelhecimento, do esquecimento e da decadência do seu estimado ente.
Suas lembranças de momentos que ele tinha com o pai; a visão que ele evoca do pai ao longo dos anos; do ser deprimente, associal e com baixa auto-estima, são passagens comoventes escritas em tom lírico e muito pessoal. Este relato serve de alerta a futuros familiares de doentes com demência, pois muitas famílias não se apercebem que os pais ou avós começam a sofrer da doença, até que algo dramático aconteça.
Em certo momento tornou-se incisiva a leitura, a par da sua vertente instigante. Por vezes o leitor depara-se com um livro e pergunta a si mesmo o porquê desse livro não ter surgido na sua vida, num determinado tempo passado? Por outro lado, se estamos familiarizados com a mensagem e advertência que um livro transmite, é sinal de uma lição apreendida. «Somos todos filhos de pais a envelhecer, cônjuges ou cuidadores de entes queridos no final de vida. Ou vamos ser. Ou já fomos.» Citação retirada da página 238.
Lições do Meu Pai é um livro muito bem escrito, profundamente tocante e repleto de lições de vida. Jerald Winakur refere que: «Sem os meus pacientes, este livro não existiria […] Eles enriqueceram a minha vida muito mais do que imaginam.»
Publicado em 2010 pela editora Caleidoscópio este livro não tem tido o destaque merecido. O certo é que depois de lido, a sua mensagem irá com certeza ser passada de pessoa a pessoa. A minha parte está feita.

2 comentários:

Anónimo disse...

Desconhecia o livro.
Gostei bastante da tua opinião a respeito do que leste.

helena frontini disse...

POis, pensamos sempre que os outros são eternos! Obrigada pela recensão.