quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

«A Fórmula do Amor», de Francesc Miralles e Álex Rovira

Editora: ASA
Ano de Publicação: 2013
Nº de Páginas: 326
«Há uma força extremamente poderosa para a qual a ciência não encontrou uma explicação formal até agora. É uma força que inclui e governa todas as outras, e que está até por trás de qualquer fenómeno que opera no Universo…» (p. 321)
Primeiro a não-ficção. Até 1980 pensava-se que eram dois os filhos que Albert Einstein e Mileva Marić – a sua primeira mulher – tinham tido. Depois de tornadas públicas as cartas trocadas entre o casal, soube-se da existência de Lieserl (1902 - 1903?), a filha nascida antes de se casarem. Tudo leva a crer que o cientista alemão nunca chegou a conhecê-la, havendo quem diga que o bebé não resistido à escarlatina; outras informações apontam que ela tenha sido dada para adopção; a verdade é que a sua existência permanece incerta.
Onde entra a ficção? Precisamente, a partir dos factos reais em torno desta filha «secreta» (e seus descendentes) do génio, somando-se algumas suposições científicas e uma acção decorrida em lugares plausíveis (Zurique, Belgrado, Nova Iorque, etc.), tendo em conta o percurso geográfico de Einstein. Suspense, tensão, romance, ciência e adrenalina, são alguns dos compostos que os autores idealizaram para A Fórmula do Amor.
O prólogo da história surge quando Javier, um guionista e jornalista especializado em ciência, de uma rádio em Barcelona, perante milhões de ouvintes, esmiuça um reputado escritor que vem apresentar a sua biografia de Einstein, fazendo ressurgir a possibilidade de o mundo científico encontrar e descodificar a última teoria de Einstein, «um outro tipo de energia», extremamente importante para a Humanidade.
Logo ao sair do estúdio, Javier recebe um envelope com uma mensagem, e a partir desse momento ele envolve-se num jogo perigoso. Há quem não queira ver essa fórmula descoberta, e surgem as primeiras mortes. Com o auxílio da inebriante Sarah, Javier inicia um rol de viagens que o levam ao local onde o génio alemão guardou a sua «tese», cuja equação matemática, redigida, é a única resposta deixada aos futuros cientistas.
No epílogo de A Fórmula do Amor, a dita resposta é uma recompensa meritória para quem folheou com ânsia os breves 72 capítulos (que dão alento à leitura), cada um precedido por citações, da sua maioria de Einstein, como a que consta da p. 301: «Poucos se atrevem a ver com os próprios olhos e a sentir com o próprio coração.»
A distribuição eficiente do romance em 4 partes, Terra, Ar, Fogo e Água, formas representativas nas quais a energia se manifesta, e finalmente a Quintessência (da qual consta a resposta), é um pró do livro tal como: a veste psicológica dos personagens e o mistério que desperta e faz manter continuadamente o leitor virar página após página.
Este é já o segundo livro da dupla Francesc Miralles (em Portugal tem publicados os livros: O Quarto Reich (ASA), O Melhor Lugar do Mundo é Aqui Mesmo (Presença) e Um Coração Cheio de Estrelas (Pergaminho)) e Álex Rovira (tem várias obras traduzidas para português, de índole espiritual e de auto-ajuda), dois dos mais prestigiados escritores espanhóis.

3 comentários:

Kézia Lôbo disse...

Ok, eu preciso ler esse livro, ter esse livro, o mais breve possivel, parece demais, sem contar que a capa é simplesmente linda, e o titulo entaum, deve ser muito interessante.

Monica Barradas disse...

Tenho que ler este livro.

Tânia Ferreira disse...

Acabei ontem de ler este livro e adorei!