segunda-feira, 29 de julho de 2013

«A Loja dos Suicídios», de Jean Teulé

Editora: Guerra & Paz
Ano de Publicação: 2008
3ª edição publicada em: 2013
Nº de Páginas: 160

O slogan impresso nos sacos da loja da família Tuvache é o seguinte: A sua vida foi um fracasso? Connosco, a sua morte será um sucesso! Mishima, o patriarca, gere esta loja que vende um sem-número de produtos mortíferos como venenos, facas, cordas, pistolas, seringas, bombons envenenados, etc. Engendrar mortes violentas é o seu passatempo preferido. A acompanhá-lo no negócio está Lucrécia, a sua mulher, uma especialista em preparar elixires tóxicos, uma das principais “atracções” de 'A Loja dos Suicídios'. Eles não dizem “até à próxima” mas “adeus” aos seus clientes. Por que será?
Vincent, Marilyn e Alan (nomes que honram os suicidas Vincent Van Gogh, Marilyn Monroe e Alan Turing) são os filhos do casal, também funcionários da loja, que herdam a apatia, a depressão e a obsessão por “vender a morte” aos clientes. Todos, excepto o mais novo, Alan, a ovelha branca da família, que se atreve a ver sempre o lado mais optimista da vida. Nesta “lojinha onde nunca entra um raio de sol” é este membro da família que incorpora alegria e sorrisos aos clientes depressivos e aos outros membros da família. Contudo, os seus pais já não sabem o que fazer, pois temem que este seu descendente possa arruinar o negócio tão próspero de há séculos. E não percebem como alguém pode sorrir o dia todo, cantando, dançando, pintando os seus desenhos com cores que não o preto e o cinzento. Alan vê-se assim completamente fora de lugar nesse mundo sombrio e decide derrubar essa onda de tristeza e fatalidade que paira nessa época em que vive, em que as pessoas vivem com auto-estimas enfraquecidas e, por isso, com um elevado grau de infelicidade (o tempo histórico e cronológico em A Loja dos Suicídios situa-se num futuro indeterminado). Nesse tempo — tal como no da nossa realidade! — a família Tuvache liga a televisão para assistir aos noticiários, permitindo assim que a tristeza, raiva, frustração, que lhes despertam as notícias sobre atentados, crimes, mortes, crises, etc., lhes traga um pouco de felicidade.
Estes são personagens irreais que nos lembram o lado negro que há em todos nós, pessoas não-ficcionais. Persona grata ou persona non grata? Eis a questão que o leitor pode colocar a si próprio, quando terminar a leitura deste livro (que deve ser lido por maiores de dezasseis nos, pelo mínimo) de poucas páginas.
Com muitíssima dose sobre a actualidade (embora o romance tenha sido publicado originalmente em 2007), A Loja dos Suicídios é um romance hilariante, uma crítica social escrita com humor e escárnio, que por vezes lembra-nos os filmes de Tim Burton e de Woody Allen. O macabro e o desconcertante é trabalhado subtilmente por Jean Teulé, autor de Montespan, também publicado pela Guerra & Paz. O livro foi e continua sendo um sucesso, principalmente, na França, e talvez, agora, com a adaptação para filme a obra chegue a um leque de leitores mais vasto.
Trailer do filme

18 comentários:

Philipa Amaral disse...

Esta vai ser uma das minhas leituras de férias...( não é nada fácil escolher 3 ou 4 livros para levar :) )

kassie disse...

Li este livro e adorei! É hilariante, com uma crítica social sagaz, gostei mesmo muito e recomendo!
O filme não vi ainda mas estou muito curiosa.

Carolina disse...

Aproveitei uma feira do livro para comprar este! *-*
Parece muito interessante, pois adoro humor negro!
Depois de ler, irei ver o filme!! :D

Mónica Silva disse...

Este parece ser um livro fantástico! Vai já para a minha lista de próximas leituras!

Inês disse...

Este livro parece ser ideal para as minhas leituras de férias. Próximo a comprar, sem duvida :)

João Mira disse...

Este está na minha lista de livros a ler

Violeta Reis disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Violeta Reis disse...

Num altura em que tudo nos parece e está negro...resta-nos o humor...genial...

patricia dias disse...

eSTÁ NA MINHA WISLIST

Andreia disse...

Este livro deve ser fantástico!! irá ser uma das minhas próximas compras. e dps... ver o filme!! ^_^

Marisa Luna disse...

Vi o filme e gostei...
De certeza que o livro é ainda melhor!

Norma Gondar disse...

Este livro deve ser muito engraçado,
tenho que ver o filme

Pipa disse...

Vi o filme e fiquei super curiosa em ler o livro, que muitas vezes da-nos imagens que as próprias imagens não conseguem transmitir!

Pipa disse...

Vi o filme e fiquei muito curiosa para ler o livro, pois há imagens que o livro transmite que nunca chegam as telas televisivas!

Rui Henriques disse...

Livro viciante e muito divertido.
Vale a pena.

Mel disse...

Parece super engraçado!

Melissa Nogueira

DanielaMP disse...

Curiosíssima em relação a este livro! Tenho mesmo de lê-lo!

Amy Pond disse...

Li o livro por sugestão da minha prima (que tem um exemplar e emprestou-mo) e simplesmente adorei. Uma sátira aos tempos modernos...