segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

«A Arca de Natal», de Richard Paul Evans

Ano de Publicação: 2010
Nº de Páginas: 112

O americano Richard Paul Evans (n. 1962) tornou-se num dos mais inspiradores escritores das últimas duas décadas. O título em epígrafe é o do seu primeiro livro, que Richard publicou numa edição de autor, e distribuído pelas livrarias da zona onde vivia, em Salt Lake City, no estado de Utah. Pouco tempo depois o livro tornou-se um best-seller local, e devido ao sucesso que a mensagem da história alcançou, nesse ano de 1993, a obra chamou a atenção de grandes editoras.
A história de The Christmas Box (título original) é simples, e faz menção a factos verídicos da vida do autor, e mistura alguma dose de ficção — não é por acaso que o narrador da história é o próprio autor. Richard e Keri Evans, e Jenna, a filha de ambos, mudam-se para uma mansão onde reside um viúva idosa e solitária, que pôs um anúncio no jornal dizendo que precisava de um casal para cuidar da sua casa. A família Evans é a escolhida e é acolhida no início do mês do Natal. Depressa o casal se apercebe que Mary solicitara a sua vinda para a casa vitoriana mais por causa de não estar em solidão, do que por uma verdadeira necessidade em cuidar da casa. Numa das primeiras noites na casa, Richard ouve uma melodia vinda do sótão e indo lá, encontra três cartas numa pequena arca, e descobre que a idosa esconde um segredo, cuja revelação completa a própria o dirá no dia de Natal, no dia de nascimento… e de morte; essa será uma prenda de Natal que fará muito sentido para Richard e para a sua filha pequena; essa mensagem enaltece o verdadeiro amor de pai-filho.
Os leitores de A Arca de Natal vão encontrar na centena e pouca de páginas desta novela, tecida em poucas linhas narrativas e com uma acção concatenadora, lições que são realmente importantes ter bem assentes na vida. O tema omnipresente ao longo do livro é reconhecer o que é essencial e o que é acessório, e passa a mensagem de que há sempre «um acontecimento que nos molda e muda a nossa perspectiva para sempre.» Richard, em nota no posfácio, escreve: «nunca esqueci as lições que aprendi naquele Natal com Mary», e nós, leitores, também não. De recordação, e numa edição limitada, o livro A Arca de Natal vem dentro de uma caixa de madeira 15x20.
Devido ao sucesso alcançado do livro, em 1995 a obra foi adaptada para filme e posteriormente, em 1995 (Timepiece) e 1997 (The Letter), Richard escreveu outras obras que em conjunto perfazem uma trilogia natalícia. Richard Paul Evans é autor de mais de 30 livros, distribuídos entre livros de ficção, não-ficção e destinados ao público infantil. Em Portugal, além do livro em análise, tem publicados os seguintes: O Dom (Saída de Emergência, 2011), Grace (Arcádia, 2011) e A Caminhada (Saída de Emergência, 2012).


4 comentários:

As Tertulías disse...

Belíssima recomendacao... já está anotada para minhas próximas compras (quando as contas de Natal estiverem todas pagas... :-) ) Obrigado!!!!!

Filipa Monteiro disse...

Este foi o meu livro do Natal de 2013. Todos os anos compro um em Dezembro alusivo à minha época favorita, o Natal. Este ano foi a vez deste, na sua edição especial numa caixa de madeira. É um pequeno grande livro com uma das melhores perguntas jamais feitas em livros =)

milureis disse...

Este livro anda há uns tempos a tentar-me e depois a tua opinião foi o mesmo que pôr achas na fogueira.
De momento não disponho de meios para o comprar, mas na primeira oportunidade....

Inês disse...

Todos os Natais gosto de ler um livro temático, acho que já encontrei o deste ano! =)