quarta-feira, 19 de março de 2014

«A Arte de Adiar», de John Perry

Editora: Sinais de Fogo
Data de Publicação: 02/2014
N.º de Páginas: 132

É professor universitário e filósofo e os artigos que escreveu ao longo das últimas décadas foram publicados nas mais variadas e importantes revistas de cariz filosófico. Alguns desses ensaios foram coligidos em livro, como A Dialogue on Personal Identity and Immortality (1978) e Reference and Reflexivity (2001). John Perry é um profícuo pensador e as suas reflexões sobre lógica, filosofia da linguagem e da mente têm sido contributos importantes para quem se dedica ao estudo da Filosofia.
O que é (se ser) um procrastinador? É uma pessoa que tem dificuldade em terminar tarefas, que adia-as por falta de tempo. Será? No primeiro capítulo de A Arte de Adiar o professor explica, desmistificando o mito de que os procrastinadores são irresponsáveis e ociosos, o que é um procrastinador estruturado, que segundo ele é uma condição comportamental: «Alguém que faz muitas coisas enquanto deixa muitas outras por fazer.»
Ao longo deste ensaio, que divide-se em 10 breves capítulos, o autor aborda temas e questões instigantes, como a relação entre procrastinação e perfeccionismo, a importância das listas de tarefas a fazer e a não fazer, o uso e dependência do computador (com destaque para o Facebook) para os procrastinadores, e, por mais impensável que possa parecer, os benefícios de se ser procrastinador. Adiar o que temos por fazer pode ser visto como um dom, uma vantagem, em determinadas situações do dia-a-dia. O filósofo traça o profile dos vários tipos de procrastinadores, como o tipo «relaxado» e o «tenso-nervoso», e revela que muitas vezes não é a falta de tempo a razão de se sermos procrastinadores, mas o receio de não efectuarmos todas as nossas tarefas com sucesso.
Com a leitura deste livro escrito com sabedoria e humor — o que não é habitual em ensaios filosóficos — o autor passa ao leitor a mensagem de que hoje é o dia que deixaremos de ter medo das ordens dos outros, o que não quer dizer se ser irresponsável e insensato.
Um livro perspicaz e divertido, ideal para quem trabalha em cargos de gestão de pessoas e de empresas e também para quem idealiza gerir melhor as suas vinte e quatro horas diárias. «Nunca faças hoje uma tarefa que possa desaparecer amanhã», é um dos conselhos de John Perry. A Arte de Adiar, orginalmente publicado em 2012, é o primeiro dos oito livros do autor que para português é traduzido (por Jorge Lima).
Excertos:
«Sejam as tarefas grandes ou pequenas, incomuns ou simplesmente itens recorrentes da rotina de todos os dias, decomponha-as em sub-tarefas mais pequenas e menos exigentes.» (p. 49)
«Todos os procrastinadores adiam o que têm para fazer. A procrastinação estruturada é a arte de pormos esta característica negativa a funcionar a nosso favor.» (p. 24)


3 comentários:

DanielaMP disse...

Este livro parece que foi escrito especialmente para mim! Adoro adiar o que tenho para fazer. Depois no fim é tudo uma correria e aflição! xD

Carol3Car disse...

Muitas vezes sufro de esse mal, amanha da tempo... Mas nao da. Um bom livro que tenciono ler. Obrigada pela informacao :)

Andreia Pombal disse...

Sou fã de listas de tarefas mas geralmente acabo por adiar... o livro torna-se leitura obrigatória!