quinta-feira, 6 de março de 2014

«O Crime de Lorde Arthur Savile e outros contos», de Oscar Wilde

Ano de Publicação: 2011
N.º de Páginas: 156

O título em epígrafe é o 16.º volume, e último, por enquanto, da colecção de literatura fantástica composta por 30 títulos de autores célebres como Franz Kafka, Henry James, Edgar Allan Poe e Jack London, de que Jorge Luis Borges foi editor e organizador, e que a Editorial Presença tem vindo a publicar: «A Biblioteca de Babel». Lord Arthur Savile’s Crime and other tales reúne cinco dos mais fantásticos (no género e literalmente) contos escritos por um dos mais versáteis inventores de histórias: Oscar Wilde.
Além das curtas histórias O Príncipe Feliz, O Rouxinol e a Rosa e O Gigante Egoísta, podemos encontrar neste livro o conto que dá título ao livro, O Crime de Lorde Arthur Savile, um relato pleno de suspense sobre uma profecia lançada por Septimus Podgers, um quiromante profissional, a Artur Saville, um jovem aristocrata londrino do final do século XIX, quando este convivia numa das pomposas festas de Lady Windermere. O fim, esse, só pode ser trágico.
Por fim, em O Fantasma de Canterville Wilde narra-nos a história de um atormentado fantasma que há mais de trezentos anos aterroriza sucessivas gerações da família Canterville, em sua mansão, numa Londres mil-oitocentista. Os últimos descendentes dos Canterville decidem pôr a casa à venda e assim, passarem o testemunho fantasmagórico a outros hóspedes. Os Otis, uma família americana compra a mansão mesmo advertida das histórias de assombrações. Mr. e Mrs Otis são republicanos e educaram os quatro filhos baseando-se no dogma de um mundo materialista, maquinal e sem floreados líricos nem sentimentalistas. Portanto, o medo desenfreado que os antigos habitantes sentiam em relação ao fantasma para esta família é inexistente e isso comprova-se logo na primeira noite, em que o fantasma se revela aos novos inquilinos, mas nenhum membro da família se sente abalado pela sua aparição e até ridicularizam-no. O fantasma passa, então, a temer os vivos quando todas as suas tentativas de assustá-los passam incólumes. Virgínia é a única dos filhos que deixa o seu sangue-frio de lado e aborda-o, tentando compreender o seu historial de vida e sentimentos. Sim, sentimentos.
Em O Crime de Lorde Arthur Savile e outros contos podemos encontrar histórias escritas com inteligência, ironia e humor, bem ao estilo do autor de De Profundis.


Excertos:

[O Príncipe Feliz] «— Querida Andorinha — Disse o Príncipe —, falas-me de coisas maravilhosas, mas mais maravilhoso do que tudo o que existe é o sofrimento dos homens e das mulheres. Não há Mistério tão grande como o da Miséria.» (p. 134)

[O Rouxinol e a Rosa] «O Amor é uma coisa tão tola (…) É várias vezes menos útil do que a Lógica, pois não serve para provar nada e está sempre convencer-nos de coisas que não vão acontecer ou a fazer-nos crer noutras que não são verdade.» (p. 147)


9 comentários:

bushnypt disse...

Olá
Quero ganhar livro!!

Bom Blog!

Continua :)

Manuela Santos disse...

Bom dia,
Quero muito este lvro :)

Jorge Martins disse...

Adorava lere ...ter este livro!!!

kassie disse...

Esta colecção é excelente! Tenho alguns volumes mas este título, infelizmente, não tenho. E Oscar Wilde é um dos meus autores preferidos... acho que vai para a wishlist :)

Rita Oliveira disse...

Aqui fica a participação para o passatempo! Cumprimentos.

Paulo Saraiva disse...

Muito curioso sobre este livro, parece devera interessante.

******* disse...

Boa Tarde,
É de louvar a existência de passatempos como este, principalmente nos dias de hoje.

Marcos Abreu disse...

Um livro interessante!

Edgar Costa disse...

Óptimo escritor que foi desprezado no seu tempo! Já li vários contos seus como o Fantasma de Canterville ou o livro Dorian Grey e sempre gostei das suas histórias tão a frente do seu tempo.