quarta-feira, 5 de novembro de 2014

«Antoine de Saint-Exupéry: Vida e Morte do Principezinho», de Paul Webster

Editora: Vogais
Data de Publicação: Outubro 2014
N.º de Páginas: 320

A vida de Antoine de Saint-Exupéry (1900-1944) foi pautada por muitos episódios trágicos. A sua fama é reconhecida maioritariamente enquanto escritor, mas foi enquanto aviador civil e piloto de guerra que este francês aventureiro, impulsivo e solitário viveu mais plenamente.
Nascido numa família aristocrática do Sul de França, desde cedo Antoine viu a sua infância ser-lhe roubada num ápice, e para todo o sempre. Com apenas três anos de idade o seu pai morre, vítima de um acidente ferroviário, tendo este episódio traumático perpetuado na sua mente muito sofrimento, muitos anos depois. Por ser o irmão homem mais velho a família, desde logo, faz-lhe tomar consciência do facto de ser o herdeiro do título da distinta família. Preparado para a carreira militar, fez os estudos em colégios austeros e tornou-se adulto precocemente. Muitos anos mais tarde Exupéry lamenta esses tempos perdidos: «Não estou muito certo de ter vivido depois da minha infância», escreve numa carta que enviou à mãe, uma das muitas que constam nesta biografia escrita em 1994, que tem contributos de familiares, amigos e jornalistas que privaram com o autor de livros como Terra dos Homens e Cidadela.
Antoine de Saint-Exupéry: Vida e Morte do Principezinho está dividido em três partes onde Paul Webster (1937-2004) mostra-nos todas as facetas do biografado, desde a sua relacção com a família, o casamento conturbado repleto de ausências e infidelidades («Em Antoine, a paixão pela viação sobrepunha-se muitas vezes ao amor.»), a sua ascendência na carreira profissional, os atritos com os colegas de aviação, os inúmeros acidentes que Antoine teve enquanto piloto (no Líbano, no Guatemala, etc.), a inspiração e génese de todos os livros que publicou em vida e postumamente, os últimos anos que vivera nos Estados Unidos da América, até àquele dia factício: 31 de Julho de 1944, quando o seu avião, um ‘P-38 Lightning’, se despenhou no Mar Mediterrâneo, tendo a aeronave e o seu corpo nunca terem sido encontrados. (Em 1998 um pescador achou uma pulseira de Exupéry, em 2004 foram encontrados destroços do avião dele perto da costa de Marsella, e — a seguinte informação não vem no livro — em 2008 um alemão assumiu ser o autor dos tiros responsáveis pela queda do avião de Antoine de Saint-Exupéry, em 1944.) Como podemos ler nas últimas páginas do livro: «Nunca ninguém saberá no que pensava Saint-Exupéry no momento da sua violenta morte, a qual lhe escapara tantas vezes.»
O capítulo XIV (pp. 283-293) desta rigorosa e bem documentada biografia de Paul Webster é inteiramente dedicado aos leitores que leram e que são eternos fãs d’O Principezinho (livro publicado em 1943, um ano antes da morte “misteriosa” do escritor), onde ficarão a par de algumas curiosidades sobre algumas das personagens centrais da obra, como a rosa, a raposa e o próprio pequeno príncipe. «Em todas as suas obras, Saint-Exupéry inspira-se fortemente em sensações experimentadas na infância para se proteger do seu próprio desespero», «A vida inteira tinha sonhado em escapar, ansiado por horizontes mais amplos, ameaçado trocar de planeta.», afirma Paul Webster.
Sendo uma obra biográfica, em Antoine de Saint-Exupéry: Vida e Morte do Principezinho, um livro fascinante e de leitura ininterrupta, talvez fique só a faltar no seu interior algumas fotografias de alguns episódios da vida de Exupéry narrados ao longo do livro — nada que uma pesquisa no Google não colmate, aos interessados. 

2 comentários:

Humberto Gomes disse...

Vou querer ler esta biografia. Interessante parece-me.

Rita Oliveira disse...

Sempre tive curiosidade em saber mais acerca do autor do Principezinho... Gostava muito de ler este!