quinta-feira, 23 de março de 2017

Livros de psicólogas abordam a temática das dependências online nos mais jovens


#GeraçãoCordão
A geração que não desliga!
de Ivone Patrão

Texto de apresentação
Todos estamos ligados! É saudável? Como gerir o estado online dos nossos jovens? Que modelos somos?
Um livro para pais, professores e todos os que procuram respostas para um uso saudável da Internet!
Um livro que incide sobre a nossa ligação à internet, as dificuldades para gerir regras no uso da tecnologia (que é um dos maiores desafios da educação atual, quer pelas famílias quer pelas escolas) e o que fazer para se conseguir um consumo saudável da mesma.
As crianças e jovens são a nova Geração Cordão: uma geração ligada por um cordão invisível, porque já há wi-fi, mas que faz perdurar a necessidade de estar conectado, de não se estar sozinho. Coloca-se então a questão: a tecnologia passou a controlar as nossas vidas ou somos nós que controlamos o uso da tecnologia?
A resposta a esta problemática está neste novo livro que propõe um conjunto de boas-práticas para se conseguir dedicar apenas o tempo necessário, perceber os perigos e evitar as dependências.

Da mesma co-autora dos livros Dependências Online (Pactor, 2016) e O Amor Dentro do Meu Peito (Planeta, 2012).



iAgora?
Liberte os seus filhos da dependência dos ecrãs
de Rosário Carmona e Costa

Texto de apresentação
Uma leitura fundamental para as famílias do século XXI. O que é normal e o que é excessivo na relação dos nossos filhos com as novas tecnologias? Essas formas de comunicação podem ser uma ferramenta de educação poderosa e altamente válida... Desde que ninguém se deixe dominar por elas. A começar pelos pais. Estas perguntas são para si: - Deve ou não deve ser amigo do seu filho no Facebook? - Sabia que o vídeo na hora da sopa pode vir a tornar-se o seu pior inimigo? - Imagina o que pode estar a acontecer quando um professor lhe diz que o seu filho tem sono nas aulas? - Quando é que deve ligar ecrãs nas viagens de carro? - Por que é que é tão errado encostar telefones a copos de água diante dos miúdos nos restaurantes? - Será mesmo uma boa ideia conceder mais meia hora de computador como prémio de bom comportamento? - Qual a grande diferença entre ser alvo de troça na escola, com umas «bocas» e encontrões, ou ser vítima de cyberbullying? - Já alguma vez parou para pensar no conceito de «aplicações didáticas»? - Então e a televisão: se virmos todos em família não faz mal, não é? - Acredita no seu filho adolescente quando ele diz que está acompanhado porque está a jogar online?
(...) Um livro de leitura fácil em que a psicóloga Rosário Carmona e Costa, estudiosa desta temática há vários anos, fornece respostas simples e diretas para um problema tão complexo e tão atual.

«O Eterno Marido», de Fiódor Dostoiévski

Editora: Presença
Data de publicação (4.ª edição): Junho 2016
N.º de páginas: 168
O ponto de partida da presente narrativa que Dostoiévski viu publicada em 1870, ambientada em São Petersburgo, é o reencontro entre dois amigos, volvidos quase dez anos. Em O Eterno Marido, Dostoiévski explora a fundo as consequências trágicas que uma traição pode deixar perpetuadas.
Veltchanínov tem perto de quarenta anos, e até há pouco tempo era um homem alegre, de bem com a vida. Assim que a hipocondria começou a fazer parte do seu quotidiano, ele torna-se uma pessoa ociosa, triste e misantrópica (abandona os amigos e conhecidos). Embora não sinta orgulho da sua solidão, depende dela, em boa percentagem porque esta concede o tempo suficiente para ele lutar com os demónios que lhe atormentam e pesam a consciência. É durante as intermináveis noites brancas que Veltchanínov tem sonhos febris e deambula entre dois mundos; um deles submerso há nove anos.
Com a chegada de Pávlovitch, um antigo amigo e marido de uma sua ex-amante, uma mulher «passional, cruel e sensual», as emoções que despertam neste homem entram definitivamente em choque. Este ex-amigo, um homem alcoólatra e instável psicologicamente, acaba de ficar viúvo e com uma filha de oito anos por continuar a criar; uma filha com muita debilidade física, que sabe que não é sua. Para Veltchanínov, Lisa, a sua filha, será agora a sua finalidade de vida, o que faltava para a sua tristeza cessar, para dar paz à sua consciência pesada. Mas algo trágico acontece. E a desgraça satura-lhe de novo a alma de dor.
Este é um romance curto mas povoado por personagens psicologicamente densas envoltas numa trama onde os diálogos são bem construídos e inteligentes. A história começa in medias res, uma técnica literária que Dostoiévski é mestre em tecer, criando pouco a pouco suspense no leitor, assim que os detalhes sobre o passado adúltero do protagonista são revelados.
Ciúme, humilhação, raiva, vingança, arrependimento, auto-punição, abnegação, de tudo isto fala O Eterno Marido, que é tido como um dos trabalhos mais refinados do autor russo, que a tradução de Nina Guerra e Filipe Guerra soube tão bem captar.
Tirando uma contradição na história, sobre o sentimento que o protagonista nutria pela amante, apresentada em duas partes do livro («(…) uma rapariga [Natália] (…) de quem nem sequer gostara, a ponto de se envergonhar das suas relações com ela…» (p. 12); «Gostava dessa mulher… e era amante dela… O amor e a relação entre os dois dominavam-no com tanta força que se tornou quase escravo de Natália…» (p. 36)), esta obra revela-se uma leitura muito estimulante.

quarta-feira, 22 de março de 2017

Uma nova colecção humorística sobre as grandes questões da vida adulta

Eis os três primeiros títulos de uma nova colecção com ilustrações vintage, com humor seco e para adultos. Publicações a cargo da Vogais Editora.
A Ressaca: Um livro indispensável para compreender o mistério de noites perdidas ao acordar com uma ressaca.

As Mamãs: Um livro indispensável para compreender esses seres maravilhosos e complexos que são as mamãs.

Mindfulness: Um livro indispensável para compreender essa arte maravilhosa e insubstancial de não fazer nada que é o mindfulness.

Portugal, o país que é tema de cinco livros recentes

Portugal - A História de uma Nação
de Henry Morse Stephens
Do texto sinóptico
«A nação portuguesa é um produto da sua História: isto dá à História de Portugal um valor eminente». É assim que Henry Morse Stephens, docente da Universidade da Califórnia, começa esta obra notável, que em muito contribui para trazer ao conhecimento comum diversos acontecimentos até agora desconhecidos da História de Portugal. Abrange a instauração da nacionalidade, a consolidação do território e da independência, atravessa o período heroico dos Descobrimentos e a criação de um império global, as navegações em África, na Índia, no Próximo Oriente e no Brasil, e culmina no período de declínio, que começa na fatídica batalha de Alcácer Quibir e se prolonga mais ou menos até aos nossos dias, iluminado aqui e ali com alguns lampejos de uma glória fugaz.

Na primeira fase, aliou-se uma força combatente a uma sabedoria administrativa e um tato de governo que granjearam o respeito de toda a Europa. Na segunda, a dos Descobrimentos, a visão estratégica dos principais dirigentes do reino e o insuperável heroísmo dos navegadores trouxeram glória e poder à alma lusa. Finalmente, com a perda da independência e as respetivas consequências, Portugal entra na fase mais negra da sua História. Este é um livro essencial para entender o contexto e os acontecimentos que conferiram ao reino uma individualidade e uma existência nacionais de que justamente se orgulha e para vislumbrar como conseguiu um país tão pequeno erguer o primeiro império global da História.

História da Origem e Estabelecimento da 
Inquisição em Portugal - Tomo II
de Alexandre Herculano
Do texto sinóptico
Uma importante análise que trata do aparecimento do sistema inquisitorial, na Europa e entre nós, acompanha a situação dos judeus em Portugal e observa as relações que se estabelecem entre a Inquisição e o poder político, especialmente durante os séculos XV e XVI, nomeadamente durante o reinado de D. João III.

Escravos em Portugal
Das origens ao século XIX
de Arlindo M. Caldeira
Do texto sinóptico
Uma obra inovadora sobre um tema que continua ainda muito ignorado no nosso país e que temos obrigação de conhecer. Esta não é uma história da escravatura em Portugal, mas sim uma história dos escravos, uma obra única que nos fala da história de Lourenço, João, Florinda, Grácia, João de Sá e de muitos outros milhares de escravos, protagonistas involuntários de um regime social injusto, excluídos entre os excluídos, e que viveram em Portugal. Calcula-se que só nos séculos XV a XVIII, o período de maior concentração de mão-de-obra não-livre, tenha havido, no continente e ilhas, um milhão de pessoas sujeitas a cativeiro.

Os Estrangeiros que Mandaram em Portugal
de Sara Capelo
Do texto sinóptico
A História de Portugal está marcada por inúmeras investidas de estrangeiros. Ao longo dos séculos, o nosso país sofreu com os excessos, decisões e polémicas que lançaram sobre nós. Mas nunca desistimos de recuperar a nossa independência.

Quando Portugal Ardeu
Histórias e segredos da violência política no pós-25 de Abril
de Miguel Carvalho
Do texto sinóptico
Quem foram as primeiras vítimas mortais da democracia? Por que razão foram assassinados Padre Max, Rosinda Teixeira e Joaquim Ferreira Torres? Quem protegia e que segredos escondia a rede bombista de extrema-direita? Como enfrentou o cônsul dos EUA no Porto o PREC? O que relatam os diários do norueguês baleado no Verão Quente de 1975? Como é que a Igreja mobilizou e abençoou a luta contra o comunismo? O que sabia a PJ sobre o terrorismo político e tudo o que nunca chegou a julgamento? Com recurso a centenas de documentos, entrevistas e testemunhos inéditos, esta investigação jornalística traz à luz do dia histórias secretas ou esquecidas do pós-25 de Abril.

O primeiro romance de Paula Lobato de Faria

Imaculada, nas livrarias a partir de 6 de Abril, é o romance de estreia de Paula Lobato de Faria e a grande aposta da editora Clube do Autor no segundo trimestre deste ano. A autora é doutorada em Direito e professora da Universidade Nova de Lisboa.

Imaculada é o seu primeiro livro de ficção - Paula Lobato de Fariatem várias publicações internacionais nas áreas do direito da saúde, bioética e direitos humanos -, e tem como pano de fundo o Portugal profundo dos anos 50. A história é inspirada em acontecimentos reais.

Novo 'thriller' de cortar a respiração, do norueguês Jo Nesbø

O Filho, romance policial publicado originalmente em 2014 na Noruega por Jo Nesbø, com tradução para português a cargo de Maria Georgina Segurado, é uma das novidades da Dom Quixote para este mês.

Eis dois elogios da imprensa internacional sobre esta obra, que também está disponível em formato eBook (aqui):
«Precipita-se como um comboio expresso para o último ato de uma ópera singular, espalhando pelo palco cadáveres e reputações bem construídas. Muito bom.»
The Independent

«Mais um enredo fascinante (...) Nesbø merece ser coroado rei dos escritores de policiais.»
Sunday Express
Texto sinóptico
Antes de ser condenado, Sonny era um adolescente exemplar, campeão de luta livre, e tinha um futuro brilhante pela frente. Até saber que o pai, o seu ídolo, era afinal um polícia corrupto que preferiu o suicídio a ser exposto. Agora, Sonny é um prisioneiro modelo. Metade da sua vida foi passada como recluso, cumprindo penas por crimes que não cometeu. Como compensação, nunca lhe falta heroína. É o centro de um núcleo de corrupção: guardas prisionais, polícias, advogados, e até um capelão desesperado, todos empenhados em mantê-lo drogado na prisão.

Mas quando Sonny descobre a chocante verdade por detrás do suicídio do pai, planeia uma engenhosa fuga e começa a perseguir os responsáveis. Contudo, ao mesmo tempo que faz justiça pelas próprias mãos, é também perseguido por criminosos e pelas forças da lei. Com destaque para Simon, um inspetor prestes a reformar-se, e antigo amigo do pai.
A questão é quem conseguirá chegar a ele primeiro, e o que fará Sonny quando se sentir encurralado?

Mais uma narrativa, fora da série Harry Hole, em que Nesbø prova, uma vez mais, ser exímio em criar personagens marcantes e merecer a distinção de mestre do suspense.


Outros trillers do escritor já publicados pelas Edições Dom Quixote:
O Morcego
O Fantasma
O Boneco de Neve
Baratas
O Leopardo
O Redentor
A Estrela do Diabo
Vingança a Sangue Frio
O Pássaro de Peito Vermelho
Caçadores de Cabeças

Outras novidades:

terça-feira, 21 de março de 2017

«A Serpente do Essex», o romance que marca o regresso da Minotauro à edição

Realiza-se na próxima quinta-feira, pelas 18h30, a apresentação d’A Serpente do Essex, da autora britânica Sarah Perry, livro que bateu o Harry Potter na conquista do Melhor Livro do Ano 2016 pela Waterstones. Estra obra da chancela do Grupo Almedina Minotauro, também foi laureada com o Prémio Primeiro Livro, atribuído pelo Guardian.

A apresentação da primeira obra deste regresso da chancela do Grupo Almedina tem lugar na Livraria Almedina do Saldanha. A Serpente do Essex é a primeira grande aposta do Grupo Almedina para o ano de 2017.
Texto sinóptico
Londres, 1893. Quando o marido de Cora Seaborne morre, a viúva inicia uma nova vida marcada ao mesmo tempo por alívio e tristeza.
Não teve um casamento feliz e ela própria nunca se adequou ao papel de mulher da sociedade. Acompanhada pelo filho, Francis - um rapaz curioso e obsessivo -, troca a cidade pelo campo de Essex, onde espera que o ar fresco e os grandes espaços lhe proporcionem o refúgio de que necessita.
Quando se instalam em Colchester, chegam-lhe aos ouvidos rumores de que a Serpente do Essex, conhecida por em tempos ter percorrido os pântanos na sua avidez de colher vidas humanas, regressou à aldeia de Aldwinter. Cora, naturalista amadora sem interesse por superstições ou questões religiosas, fica empolgada com a ideia de que aquilo que as pessoas da região tomam por uma criatura sobrenatural possa, na realidade, ser uma espécie ainda por descobrir. Quando decide iniciar a sua investigação é apresentada ao vigário de Aldwinter, William Ransome. Tal como Cora, Will sente uma desconfiança profunda em relação aos boatos, que considera um fenómeno de terror de caráter moral e um desvio da verdadeira fé. Enquanto Will procura tranquilizar os paroquianos, inicia-se entre ele e Cora uma relação intensa; apesar de os dois não concordarem a respeito de nada, são atraídos e afastados um do outro inexoravelmente, a ponto de isso modificar a vida de ambos de formas inesperadas.
Escrito com uma delicadeza e uma inteligência cheias de requinte, este romance é sobretudo uma celebração do amor e das muitas formas que ele pode assumir.

Novos livros sobre História, Política e Corrupção publicados pela Editora Clube do Autor

As Grandes Decisões da História que Correram Mal
de Bill Fawcett e William R. Forstchen
Texto sinóptico
Ao longo da história, muitas decisões fundamentais desencadearam acontecimentos contrários aos desejados.
Esta obra analisa, com algum humor e sagacidade, os principais eventos que começaram como boas ideias e acabaram por fracassar.



Os Conspiradores
de Vito Bruschini
Texto sinóptico
Num cenário de intriga internacional interesses ocultos e homens poderosos pretendem dominar o mundo a todo o custo. Num cenário de intriga internacional, interesses ocultos e homens poderosos pretendem dominar o mundo a todo o custo.

14 de janeiro de 2013: o Bundesbank anuncia aos mercados financeiros a sua intenção de reaver para os cofres do Frankfurt 300 toneladas de lingotes de ouro conservados nas caves da Reserva Federal de Nova Iorque e 374 toneladas de lingotes depositados no Banco de França em Paris. Porquê esta imprevista decisão? Alguns meses depois, a Reserva Federal Americana congela os bens nas suas caixas-fortes, receando um evento que pode mudar a História da Humanidade...

Há vários anos que uma congregação ultra secreta, o Priorado, tenta expandir o seu domínio. Composto por antigos jesuítas, este grupo de poderosos quer assumir o controlo da nossa sociedade. Estão dispostos a tudo, inclusive a recorrer aos Protocolos dos Sábios de Sião, uns dos mais ameaçadores documentos da nossa História recente. Os membros infiltram-se nas organizações nevrálgicas do poder mundial e põem em marcha o seu plano.

A congregação pretende subjugar o Conselho dos Treze, a cúpula do Clube Bilderberg, o lóbi mais poderoso que governa na sombra a economia mundial. No ar paira a ameaça do colapso do dólar e até do euro. Será uma guerra financeira o método escolhido para alcançar o domínio do mundo?

O confronto entre estas duas potências será cruel e sangrento, imprevisível e repleto de golpes de cena. Milla Vespignani, uma corajosa funcionária da União Europeia, e o inspetor Solomon da Scotland Yard tentarão impedir o golpe que poderá entregar para sempre o destino da humanidade às mãos de homens sedentos de poder.



A Tentação de D. Fernando
de Jorge Sousa Correia
Texto sinóptico
Quais os vícios de D. Fernando e da sua época? Como governou o reino e permitiu a devassa da corte? Que alianças ameaçaram Portugal? Por que razão o povo saiu à rua para se revoltar?

Neste livro, Jorge Sousa Correia partilha com os leitores as intrigas e os escândalos que levaram D.Fernando a cair em tentação.
No registo que já conhecemos, o autor apresenta um novo romance pleno de ritmo e emoção, e uma escrita verdadeiramente empolgante. Ao longo das suas páginas, acompanhamos o fim da 1ª Dinastia, resultado, em boa parte, da ambição e grande predileção do Rei pelos prazeres amorosos (e pouco gosto pelas batalhas) e a ascensão do Mestre de Avis.

segunda-feira, 20 de março de 2017

Novidade: «Conversas em altos voos», da jornalista da Rádio Renascença Aura Miguel

Conversas em altos voos
Encontros e entrevista com o Papa Francisco
de Aura Miguel
A obra conta com o prefácio de Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República, e inclui detalhes inéditos sobre como é viajar com o Papa Francisco e como é o seu estilo descontraído, dentro do avião e não só. Contém ainda a entrevista que Papa Francisco concedeu à Rádio Renascença a 8 de setembro de 2015.

O motivo principal deste livro é dar a conhecer melhor o Papa Francisco, peregrino de Fátima que aí vem, e ajudar os portugueses a reforçar o amor pelo Sucessor de Pedro, tão inseparavelmente ligado à mensagem que a Virgem, há cem anos, confiou a três crianças portuguesas.

domingo, 19 de março de 2017

Dois novos livros sobre o amor pelos livros

O Leitor do Comboio
de Jean-Paul Didierlaurent
Texto sinóptico
O poder dos livros através da vida das pessoas que eles salvam. Uma obra que é um hino à literatura, às pessoas comuns e à magia do quotidiano.
Jean-Paul Didier Laurent é um contador de histórias nato. Neste romance, conhecemos Guylain Vignolles, um jovem solteiro, que leva uma existência monótona e solitária, contrariada apenas pelas leituras que faz em voz alta, todos os dias, no comboio das 6h27 para Paris.
A rotina sensaborona do protagonista desta história muda radicalmente no dia em que, por mero acaso, do banquinho rebatível da carruagem salta uma pendrive que contém o diário de Julie, empregada de limpeza das casas de banho num centro comercial e uma solitária como ele… Esses textos vão fazê-lo pintar o seu mundo de outras cores e escrever uma nova história para a sua vida.
O Leitor do Comboio revela um universo singular, pleno de amor e poesia, em que as personagens mais banais são seres extraordinários e a literatura remedia a monotonia quotidiana. Herdeiro da escrita do japonês Haruki Murakami, dotado de uma fina ironia que faz lembrar Boris Vian, Jean-Paul Didierlaurent demonstra ser um contador de histórias nato.
Elogios da imprensa
«Leitura Obrigatória.»
L’ Express 

«A ideia original e o tom vivo fazem de O Leitor do Comboio uma obra cheia de encanto.
É de saudar esta homenagem à literatura e à leitura.»
Lire

«Um belo testemunho da universalidade do amor pelos livros.»
Livres Hebdo

«Jean-Paul Didierlaurent escreveu uma das mais belas declarações de amor à leitura.»
La Razón
O Livreiro de Paris
de Nina George
Texto sinóptico
Jean Perdu é proprietário de um negócio tão especial quanto extraordinário: a Farmácia Literária, uma livraria instalada num barco atracado no rio Sena, em Paris. Ao invés de vender medicamentos, receita livros como remédio para os males da alma. Porém, embora saiba aliviar a dor dos outros, não consegue atenuar a sua própria dor. O que Monsieur Perdu não sabe é que a descoberta de uma carta do seu passado está prestes a mudar-lhe o destino. Depois de a ler, Jean encontra-se numa encruzilhada: continuar uma existência sombria e dolorosa ou embarcar numa viagem ao Sul de França, até à Provença, ao encontro da reconciliação com o passado e da beleza da vida.

O Livreiro de Paris é um romance surpreendente sobre o poder dos livros e do amor.

Elogios da imprensa
«Um verdadeiro êxito internacional.»
New York Book Review

«Um romance surpreendente que acredita nas propriedades curativas da ficção, do amor, e de um verão no sul de França.»
Kirkus

«Uma história que espelha todo o romantismo e candura de Paris.»
San Francisco Book Review

sábado, 18 de março de 2017

Passatempo: «Emily L.», de Marguerite Duras

https://www.facebook.com/silenciosquefalam/photos/a.187362988008873.45353.178784915533347/1302938403117987/?type=3&theater
Encontra-se já nas livrarias uma nova tradução portuguesa de Emily L., romance que Marguerite Duras escreveu há 30 anos. Este livro, há muito tempo esgotado em Portugal, é tido como um dos textos mais identificadores da escrita desta escritora francesa falecida em 1996.

Este passatempo conta com o apoio das Edições Texto & Grafia e decorre até ao dia 25 deste mês, na página deste blogue no Facebook (AQUI).

Se não fores o vencedor do sorteio, sempre podes encomendar o livro enviando um mail para a editora: texto-grafia@texto-grafia.pt

quinta-feira, 16 de março de 2017

Cartoons dão vida e divertimento a livro sobre maternidade

Mamã Cartoon
de Ana Sílvia Agostinho
Texto de apresentação
Um livro verdadeiro, divertido e apaixonado, sobre a maternidade tal como ela é. Todos sabemos que uma coisa é aquilo que idealizamos e outra - às vezes bem diferente - é a realidade. Este livro mostra o dia a dia de uma mãe real. A Mamã Cartoon é como todas as mães: Às vezes vestida de supermulher - alegre, corajosa e entusiasmada; outras vezes, à procura do seu lugar no mundo, frustrada e desconsolada.

A Mamã Cartoon cativa-nos porque nos faz sorrir e pensar, enquanto nos diverte e emociona, mostra a vida de uma mãe de maneira simples, cheia de momentos reais e verdadeiros, sem os tornar melosos ou falsamente belos. Todas as mães se reveem neste livro porque não são apenas cartoons; são fotografias da sua vida. A Mamã Cartoon aproxima as mães e demonstra que todas são diferentes e iguais ao mesmo tempo. E afasta aquela ideia que às vezes existe de se ser a única no mundo a passar por tudo isto. Não é verdade. Acontece com todas as mulheres. E todas aprendem a ser mãe sem deixar de ser mulher.
https://www.facebook.com/mamacartoonpt/
Sejam bem-vindas ao mundo heroico, feliz, alucinado e às vezes até um pouco desarrumado e malcheiroso da Mamã Cartoon.
10 Mantras para Mamãs Felizes:
1. Serei sempre verdadeira.
2. Foco-me no que fiz bem.
3. Eu não sou as minhas maminhas.
4. Confio e sou grata.
5. Está tudo como deve estar.
6. Isto também vai passar.
7. Não levo tudo tão a sério.
8. As minhas necessidades também são importantes.
9. Estou a dar o meu melhor.
10. Sou amor.

«A Mamã Cartoon tem um pouco de cada mãe e muito de todas as mães. Nele, não há mãe que não se veja cartoonada, indo, a cada página, da tragédia à alegria, montado no humor que habita a nossa rotina. Lembra-nos o contorcionismo do simples apertar de sapatos no final da gravidez, denuncia as contraindicadas dicas alheias, e relata o peso de quem, hoje em dia, carrega a maternidade. E sempre a lembrar que nada sopra mais doce (e mais valioso) do que um filho no coração.» Rita Ferro Alvim

quarta-feira, 15 de março de 2017

«Factotum», de Charles Bukowski

Editora: Alfaguara
Data de publicação: 08/03/2017
N.º de páginas: 192

Devido a «acessos de depressão», Henry Chinaski, um indivíduo com trinta e tal anos, é considerado por um psiquiatra como inapto para o serviço militar, e assim deixa de servir o país na Segunda Guerra Mundial. Em Los Angeles, este homem sem trabalho passa os dias alimentando os seus vícios: álcool, tabaco e sexo. Entre o ócio e a sua aspiração a ser um escritor reconhecido («Sou um escritor temporariamente falho em inspiração»), Chinaski consegue arranjar um de muitos posteriores empregos precários, enquanto vai percorrendo várias cidades americanas como Nova Orleães, Filadélfia e Miami. Por estar constantemente sob o efeito do álcool nos trabalhos por onde passa, arranjando altercações com colegas e patrões, ora ele é despedido ora despede-se voluntariamente.
Jan, uma mulher que Chinaski conhece num bar numa dessas cidades por onde vai assentando temporariamente, torna-se sua companheira, mas tal como ele, ela é alcoólatra e com apetite sexual excessivo. Essa relacção entre estes dois amantes que por mais que tenham sexo, se sentem cada vez mais vazios, é posta em causa por ele ser um tipo que se dá bem com a solidão («Enfranquecia a cada dia passado sem solidão. Não me orgulhava da minha solidão; mas dependia dela»); e em todo o caso, Chinaski é misantrópico, não cria vínculos com as pessoas.
Factotum vai assim traçando, ao longo de oitenta e sete curtíssimos capítulos, a tentantiva de um homem em se subsistir, enquanto luta para deixar de ser uma marioneta dos seus vícios. Henry Chinaski se sujeita a fazer um pouco de tudo — daí o título do livro — para alimentar os seus demónios.
Nesta obra, tal como em outras de Charles Bukowski (1920-1994), mais uma vez Henry Chinaski, alter ego do autor, está presente e é protagonista.
Através de uma prosa livre e espontânea, sem ornamentos estilísticos e estruturais, o autor consegue feitar um romance aliciante e de leitura prazerosa. O estilo totalmente informal, com palavreados de caráter obsceno e agressivo em nada torna este romance menor. Pelo contrário.
Factotum, título traduzido para português por Vasco Gato, foi originalmente publicado nos Estados Unidos em 1975 e nunca fora publicado em Portugal, até agora. Este é o segundo romance que Bukowski publicou e deu origem em 2005 a um filme, homónimo, protagonizado pelo actor Matt Dillon.


Excerto
«… os grandes amantes são sempre homens de ócio. Eu fodia melhor quando era vagabundo do que a picar o ponto no trabalho.» (p. 99)

terça-feira, 14 de março de 2017

«L'isola del giorno prima», obra escrita em 1994 por Umberto Eco, ganha nova tradução para português

A Ilha do Dia Antes
de Umberto Eco
Texto sinóptico
Verão de 1643. Roberto de la Grive naufraga nos Mares do Sul e depara se com uma ilha que não consegue alcançar. O maravilhamento junta se à suspeita de que por lá pairam múltiplas ameaças. Umberto Eco, magistral contador de histórias, cria uma viagem de aventura e conhecimento, construindo um fascinante enredo que entrelaça a realidade com a ficção de um modo ímpar. Aqui também não faltam o bem conhecido humor e a reconhecida erudição do autor, conjugados numa das suas mais surpreendentes obras.
(Ver aqui outras obras de Eco publicadas pela Gradiva.)
Outros 4 livros que também a 17 deste mês estarão disponíveis nas livrarias, com o selo da Gradiva: 
Um Universo Vindo do Nada
de Lawrence M. Krauss
Texto sinóptico
De onde veio o Universo? O que havia antes? Como se não bastasse a análise científica da origem do mundo para tornar esta obra atractiva, também a clareza das explicações e o estilo irónico e estimulante do autor conquistam os leitores. As várias edições têm suscitado debates um pouco por todo o lado. E não é para me nos. Apresentando provas convincentes sobre como o nosso cosmos complexo evoluiu, o autor abre a porta para antever o futuro.


A Cigarra Filosófica
de Bernard Suits
Texto sinóptico
Neste livro sobre a natureza dos jogos e o próprio sentido da vida, Suits demonstra que se pode ser tão jocoso quanto sagaz. Em meados do século XX, o filósofo Ludwig Wittgenstein afirmou que os jogos são indefiníveis. Filosoficamente profundo e verdadeiramente divertido, Suits discorda e sustenta de modo brilhante a sua tese: não só os jogos podem ser explícita e significativamente definidos, como jogar é uma componente fundamental do ideal de existência humana. E se a cigarra tivesse razão?

«Este livro único deixou me intelectualmente maravilhado.»
Simon Blackburn, Universidade de Cambridge


Jake Atlas e o Túmulo da Serpente Esmeralda
de Rob Lloyd Jones
Texto sinóptico
Jake Atlas, doze anos e meio, é viciado em sarilhos. Pandora Atlas, irmã gémea, é viciada em conhecimento. Ambos viajam para o Egipto com os pais, dois obsessivos arqueólogos e professores universitários. A viagem transforma se numa aventura fascinante e, sobretudo, transforma as vidas de todos. Depois de estar entre a vida e a morte, de se embrenhar em túmulos antigos, de se me ter no caminho de uma seita maléfica ou de constar da lista dos terroristas procurados, já nada pode ser como antes. Leitura que é pura adrenalina!

‘Bora, Mimi! 
de Laura Owen e Korky Paul
Texto sinóptico
Quatro grandes razões para os mais pequenos não quererem deixar de ler. A Mimi quer ir de férias para longe, mas acaba onde menos se esperava. Recebe as crianças no seu jardim, num dia de varinha murcha. Com isto, podemos garantir que magia também fica baralhada! Depois chega a hora do chá e até o bule se quebra em cacos. Imagine se o resto. O melhor é descontrair e participar numa corrida de cavalos. ‘Bora, pessoal?

segunda-feira, 13 de março de 2017

As mais importantes novelas policiárias de Fernando Pessoa

A 23 de Março a Assírio & Alvim publica um novo volume da colecção Pessoa Breve. Novelas Policiárias – uma antologia, compila as mais importantes histórias policiais de Fernando Pessoa. São novelas detetivescas, que Pessoa designa pelo neologismo «policiárias», constituem um surpreendente e pouco conhecido género da sua obra. Esta antologia (200 pp.) dá assim a conhecer um surpreendente género na obra pessoana.

quinta-feira, 9 de março de 2017

Na próxima semana sai dois novos romances da escritora Jodi Picoult

O Poder das Pequenas Coisas
Tradução: Manuela Madureira
Título original: Small Great Things
Páginas: 512
Edição: Editorial Presença

Texto sinóptico
Ruth Jefferson é uma enfermeira obstetra com mais de vinte anos de experiência. Um dia, durante o seu turno, começa uma avaliação de rotina a um recém-nascido. Minutos depois é informada de que lhe foi atribuído outro paciente.
Os pais do bebé são supremacistas brancos e não querem que Ruth, afro-americana, toque no seu filho. O hospital acede a esta exigência, mas no dia seguinte o bebé enfrenta complicações cardíacas.
Ruth está sozinha na enfermaria. Deve ela cumprir as ordens que lhe foram dadas ou intervir? O que se segue altera a vida de todos os intervenientes e põe em causa a imagem que têm uns dos outros.

Com uma empatia, inteligência e simplicidade notáveis, Jodi Picoult aborda temas como a raça, o privilégio, o preconceito, a injustiça e a compaixão num livro magistral sem respostas fáceis.
O Poder das Pequenas Coisas vai ser adaptado ao cinema, com Viola Davis e Julia Roberts nos principais papéis. 
Críticas de imprensa
«O romance mais importante de Jodi Picoult. Irá desafiar os leitores e reforçar o debate sobre racismo e preconceito.»
The Washington Post

«Uma leitura empolgante do princípio ao fim, como Jodi Picoult já nos habituou. Este romance mantém um ritmo rápido e constante, difícil de interromper.»
San Francisco Book Review

Outro livro da autora publicado pela Editorial Presença: Tempo de Partir (2015)


Entre as Linhas
Título original: Off The Page
Páginas: 408
Edição: Bertrand Editora

Texto sinóptico
Delilah não consegue parar de ler o seu conto de fadas preferido. As outras raparigas da sua idade já começaram a namorar e são populares, mas ela prefere o conforto de um final feliz e de saber que não vai ter surpresas. Até que lhe acontece a maior surpresa de todas… Oliver é o príncipe encantado do conto de fadas de que Delilah tanto gosta. Um dia, ele olha para ela da sua página e começa a falar. É um milagre que a princípio parece perfeito… mas depois fica tudo virado do avesso.
Agora Delilah vai ter de decidir: vai ajudar o príncipe Oliver a sair das páginas do livro? Ou será a sua oportunidade para mergulhar nas páginas de um final feliz?

Outros livros da autora publicados pela Bertrand Editora: Para a Minha Irmã (2016), Lobo Solitário (2016) e A Contadora de Histórias (2015).