segunda-feira, 8 de outubro de 2012

The Spirit Indestructible. O novo album de Nelly Furtado

O álbum The Spirit Indestructible, o 5º de originais de Nelly Furtado, está à venda desde o passado mês de Setembro. O último em língua inglesa foi o multipremiado Loose, de 2006, que teve temas estrondosos como All Good Things (Come to an End) ou Say it Right. Depois de gravar o álbum Mi Plan, exclusivamente com músicas em espanhol, Nelly está de volta. E em grande.
Seguindo a moda de marketing que tem sido a promoção de álbuns, meses antes de estes serão lançados no mercado, Nelly lançou no mesmo dia de lançamento do álbum, o seu terceiro single Parking Lot. Recordo os antecedentes: Spirit Indestructible e Big Hoops (Bigger the Better)este ultimo conhecido em Abril de 2012. A intenção ou estratégia de marketing certamente teve o seu propósito, mas a verdade é que este primeiro single não teve uma recepção de sucesso. Eu pelo menos, tive que ouvir a música ene vezes até a poder compreendê-la. Isto porque Big Hoops (Bigger the Better) tem um registo muito diferente, com batidas quase “futuristas”.
O álbum contém uma mistura de sons e géneros díspares: Hip-hop e R & B (Hight Life e Hold Up, são duas amostras destes géneros), dance, ritmos tribais e de dança, reggae (que poderá ser confirmado ouvindo a faixa Don’t Leave Me, uma das minhas favoritas).
Waiting for the Night tem um som completamente viciante. Esta música convida-nos a dançar e será uma grande aposta como single, seguramente. Aliais, tal com Loose, este album terá mais de cinco singles, digo eu.
A inovação está em toda a parte, neste álbum em que Nelly escreveu a maioria das músicas. No álbum encontramos cinco duetos: Be OK (com Dylan Murray) – a música talvez mais romântica do álbum; Something (com Nas); High Life (com Ace Primo); Thoughts (com The Kenyan Boys Choir –, o grupo de coros composto por 25 jovens do Quénia); The Most Beautiful Thing (com Sara Tavares). Tomei um susto quando ouvi a música com a Sara Tavares e a Nelly; ouvi-a segunda, terceira vez até dar pela presença da voz de Sara Tavares. A verdade é que é mais uma colaboração do que um dueto, numa canção quase estilo Lounge, com pouco ritmo e pouco esforço vocal, de ambas.
Ecléctico é a palavra que define The Spirit Indestructible, a meu ver ouvir.
Uma semana ouvindo o CD no carro e em casa, foi suficiente para que todas as músicas estejam já grudadas ao meu ouvido.


Sem comentários: