segunda-feira, 24 de março de 2014

«O Jogo de Ripper», de Isabel Allende

Editora: Porto Editora
Data de Publicação: 21/02/2014
N.º de Páginas: 400

Disponível nas livrarias portuguesas há pouco mais de um mês, o 18.º romance de Isabel Allende pertence ao género policial. É o thriller de estreia da autora que assume não ser fã de novelas policiais. Numa recente entrevista (para a Reuters Brasil) a autora de Paula revelou que antes de começar a escrever a obra, estivera a ler policiais de Stieg Larsson e Jo Nesbø («Achei esses livros realmente repulsivos, violentos e sombrios», revelou a autora) que serviram de inspiração para estilisticamente conceber a trama de O Jogo de Ripper.
A escritora chilena, nesta nova história, e tal como em muitas outras que já publicou, faz figurar no enredo duas mulheres, mãe e filha, muito diferentes quer fisicamente, quer espiritualmente: Indiana é terapeuta numa Clínica Holística, e enaltece sempre o lado mais positivo da vida; Amanda, a filha de dezassete anos, de «aspecto extravagante, tímida de carácter e magnífica de cérebro», tem uma vocação de eremita e uma obsessão por jogos e leituras misteriosas e por tudo o quanto se revele mórbido. Juntamente com o seu avô, Amanda é viciada num jogo online, intitulado Ripper (o jogo existe realmente), cujos membros são freaks espalhados pelo mundo. O objectivo do jogo é encontrar Jack, o Estripador, em 1888, em Londres. Em Janeiro de 2012 a astróloga Celeste Roko faz a previsão de que nas primeiras semanas do ano, na cidade de São Francisco, uma série de assassínios irão criar pânico na população. Quando a série de homicídios é despoletada Amanda e os seus comparças de jogo iniciam uma investigação que trespassa o mundo virtual, e que em vez de procurarem em rede por Jack, seguem as pistas reais de um criminoso que em tempo real comete assassinatos sombrios, cuja vitimologia, modus operandi e assinatura, são a confirmação que necessita a polícia para saberem se tratar de um serial killer. Durante a narrativa a própria mãe de Amanda desaparece e a caça ao criminoso torna-se não um passatempo de detectives mas um assunto pessoal. Os membros de Ripper encontram mesmo um profile, mesmo antes da polícia, e não deixarão de seguir as pisadas desse Jack, de 124 anos depois.
Conclusões sobre o livro: sendo a estreia da autora no género policial, este facto cria, a priori, uma grande curiosidade e eleva a fasquia das expectativas bem para cima. Para o leitor pouco habituado a ler bons policiais O Jogo de Ripper revela-se um thriller emocionante, com tudo o que é necessário e natural acontecer num romance deste tipo. Todavia esta obra revela-se — e é o primeiro feedback — com uma narrativa muito pouco desenvolta nas primeiras dezenas de páginas e com descrições de personagens e lugares que não se justificam. A trama torna-se em algumas ocasiões desinteressante, sem objectividade, e o suspense custa a chegar e por vezes a permanecer. Se de O Jogo de Ripper fosse feito uma triagem de umas 100 páginas, provavelmente o romance funcionasse melhor. Quem sabe Allende não volte a “surpreender“ os seus leitores com este género literário novamente: «Não acho que voltarei a esse género num futuro próximo», disse a escritora à Reuters Brasil, em Fevereiro passado.


24 comentários:

Rui Bastos disse...

Allende deixa-me curioso, mas sou demasiado desconfiado para pegar nalgum livro dela...

Miguel Pestana disse...

Então, Rui, este 'O Jogo de Ripper' não sugiro como o primeiro que leia dela.

Carmen Mendes disse...

Já li outros livros da Isabel Allende, estou curiosa para ler este também .

olinda pereira disse...

embora nunca tivesse lido nada desta autora os livros nunca me fascinavam...no entanto um dia numa troca de livros com amigas calhou-me um e depois de ler fiquei muito surpreendida. Já li todos, quase todos, este ainda não. estou curiosa.

Elsa disse...

Isabel Allende tem uma escrita fascinante. Há poucos autores que me cativam de forma sucessiva. Este é um caso excepcional.

Helena Gama disse...

Nunca li nada desta autora. Vou experimentar este...

S Dias disse...

Adoro Allende, muito curiosa para ler este!

adalberto meireles disse...

Leitura obrigatória...muito bom

dezembro disse...

Gostava muito de ler, já li outros livros da escritora.

Odete Moroso disse...

vou adorar ler

Isabel cristina Azevedo disse...

É uma das minhas autora preferidas, mas este ainda não li.

maekika disse...

Adoro ler esta autora - este livro já está na minha lista e já ando a "pedinchá-lo" para algum dia festivo em que queiram oferecer-me algo... Adoro ler!

Rosana Maia disse...

Uma autora que sempre despertou a minha curiosidade. :)Se tivesse que escolher um livro para começar, qual me aconselharia? :)
Obrigado
Boas leituras

Rosana
http://bloguinhasparadise.blogspot.pt/

Berta Vinagre disse...

Não é o meu género de leitura preferido, mas fiquei curiosa com este livro.

Just4Barbie disse...

Uma das minhas autoras favoritas ♥

Joana Pereira disse...

Extremamente curiosa para ler este livro. Adoro thriller's que envolvem serial killers.

Natalia disse...

Gosto muito deste tipo de leituras, mas nunca li nenhum desta autora.

milureis disse...

Já li alguns livros desta escritora, alguns gostei muito outros gostei menos, mas no geral é uma escritora que me agrada. Tenho este livro por ler (empréstimo da mana) mas ainda não me senti com muita vontade de lhe pegar apesar das boas criticas que li dele.

Maria Eunice disse...

Um grande livro que me prendeu em todas as suas linhas.

Isabel Correia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Isabel Correia disse...

Isabel Allende é uma das minhas escritoras favoritas. Este está na lista de espera para as próximas leituras.

Inês Lopes disse...

Já muitas pessoas me recomendaram este livro. Vai ser a minha próxima leitura.

Anónimo disse...

Adoro Isabel Allende. Sem dúvida uma das minhas autoras favoritas.

Susana Fino disse...

Gosto imenso dos livros de Isabel Allende e certamente este não será excepção.